domingo, 17 de abril de 2011

Justiça determina pagamento de indenização à trabalhadora discriminada




A Justiça intimou a gerente de uma empresa a pagar R$ 5.000 de indenização por danos morais a uma trabalhadora discriminada por motivo religioso.
A gerente, que é devota da TJs (Testemunhas de Jeová), se recusou a ter a trabalhadora em sua equipe por ter sido “desassociada” (expulsa) da religião quando teve um filho sem ser casada.
A mulher deixou o estabelecimento onde estava, abrindo mão de direitos trabalhistas, porque as novas perspectivas profissionais lhe pareciam melhores. Mas ela nem sequer chegou a ser contratada por causa da recusa da gerente.
Ao ser entrevistado pela TV Justiça, o ancião (pastor) Horaclides Cambuy, de um templo da TJs de Brasília, negou que a religião faça discriminação.
Disse que, quando as pessoas “se afastam” da religião, são visitadas com frequência por fiéis que tentam fazê-las voltar.
Cambuy, contudo, não comentou o procedimento da igreja quando uma fiel se torna mãe solteira.
Pelo relato de expulsos, os fiéis são impedidos de se relacionarem com desassociados. Até parentes dos “impuros” são aconselhados a mantê-los à distância. Sebastião Ramos, por exemplo, afirma que passou a ser evitado inclusive pela sua mãe.
Fonte: Paulopes


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você gostou deste artigo poste um comentário!

Observações:
1º) Somente usuários com conta no Google poderão publicar seus comentários aqui no Blog do SM@rtiN.
2º) Todos os comentários serão avaliados pelo administrador do blog para posterior publicação.
3º) Os textos com conteúdo impróprio, ofensas e palavrões serão automaticamente excluídos. Se houver reincidência, o acesso do usuário ao blog será bloqueado.

Obrigado!